quinta-feira, 20 de novembro de 2008

tatuagem

Conheci meu marido há quase dez anos. Foi uma arrebatadora e confusa paixão; dessas que destroem telhados, e espalham centelhas.
De início ele me deu dois maravilhosos presentes. Primeiro um bonsai com o tronco retorcido em forma de “s”, muito bem acompanhado de seis CDs do Caetano laçados em fita furta cor. O segundo, a tatuagem que ele fez no braço – uma bateria com um bonsai, com seu tronco em “s”, estampado no bumbo. O bonsai na tatuagem era uma maneira de estar comigo, ele dizia.
Não ficamos juntos por muito tempo. E apesar disso, a tatuagem continuava lá. E continuava minha. Viveria para sempre entre nós, na lembrança do que vivemos, seja que destino guardasse Deus para nós dois.
Passaram-se quase dois anos sem nenhum contato até que nos reencontramos. Não preciso dizer muito, já que hoje ele é meu “marido”.
Por muitos anos pensei no que eu poderia rabiscar “no meu muro”, que fosse suficientemente importante – tão importante como minha pele, única – para tatuar. Semana passada, sem que “procurasse”, encontrei um verso do Cântico dos Cânticos, da bíblia, que diz: “o meu amado é meu; e eu sou dele”. Nunca havia decidido nada tão rapidamente em toda a minha vida. No dia seguinte eu estava na sala de espera da Moral para estampar em mim, em hebraico, o meu amor.
A única dúvida que tive, ou melhor, ressalva, é que não acredito no amor que se apodera do outro como propriedade, e era este o conceito que a tradução denotava.
Eliminei a restrição já de saída, já que mim o verso não traz esse sentido, traz a idéia de reciprocidade, de troca, de companheirismo: ele é meu e eu sou dele. Não é o pronome possessivo “meu” que me dá o significado, é a conjunção “e”. Meu amor é correspondido, o amor dele também o é.
Some-se a isso ser escrito em hebraico, de onde vem o meu nome [Samara, enviada por Deus]. E foi Ele mesmo quem deu o arremate. Em todo o sentido dessa tatuagem há o agradecimento a Deus, e a certeza de que o nosso amor, e nosso casamento, é por Ele abençoado. Não poderia estar mais feliz com minha decisão. O tatuador, Thiago Kabeção da Moral [ué, não ouvi o barulho da caixa registradora. Rs.] foi maravilhoso: paciente, delicado, seguro e atencioso. Aproveitei e coloquei “hoje” no pulso, também em hebraico. Mas o porquê disso é coisa pra outro post.
Ps. I. Adolescente [dessas maiores de 18, que a Moral é loja responsável e não tatua menor de idade] espantada quando eu disse que tatuagem não saía nunca mais... “ai, é? Mas a Kelly Ki [sei lá como escreve] tirou o rosto do Latino...!”. Mais espantada fiquei, de ver como tem gente com um total descompromisso com a própria pele, e completa ignorância sobre as conseqüências dos seus atos. É... pois é... fazer o quê?
Ps. II. Ainda não tirei foto, mas como Papai Noel está a caminho com meu presente de natal, assim que chegar disponibilizarei para apreciação pública a minha obra de arte. Quer dizer, do Thiago. Mas devo dizer que a tela – meu cupim, como diz a mamãe, região abaixo da nuca - é um espetáculo à parte, o que só contribuiu para o engrandecimento do artista [hahahahahaha]
Beijos, pessoas que aparecem por aqui pra retirar as teias.

9 comentários:

Donaella disse...

Eu quero ver urgente essa tatoo!
Adorei a historia!
Bjoca

Lela disse...

Acho que não somos nós que possuímos as tatuagens, elas que nos possuem. Riscamos na pele os entrecaminhos da alma. Gostei um tanto de ler o parto desta. Apesar de ainda não ter lido a gestação da outra tatoo, adorei a escolha da palavra.
Beijo grande in tu!

Bia Pontes disse...

Linda, linda a história da sua tattoo. Eu sou muito suspeita para falar, pois as amo. E, de preferência, sempre com um significado tão belo quanto esse. Fiquei curiosíssima pra ver!
beijo queridona, espero que vc faça muito bom uso do seu presente.

O meu nome é Nuvem. disse...

Essa história sei todinha.
E é linda.Coisa de filme,de livro. (sugestão!)

Fiz uma tatuagem em homenagem a minha avó.
Nada de nomes.Um síbolo (pra mim)
Uma flor, que está em um dos quadros da casa dela. =)

Rosa Magalhães disse...

Sankinha, amei sua tatoo!!! Arrepiada aqui com o texto (imagino seu Naka, quando leu... rsrs). Que Deus abençoe esse amor. Beijo pros dois!

Mariana Arraes disse...

Sankinha, ficou fantástica! Linda mesmo!! Parabéns pela decisão, pelo pé no chão e pela bela escolha.

Um beijo grandão.

strawberry disse...

“o meu amado é meu; e eu sou dele”.
tanto que depois de 2 anos ele ressurgiu, neh?

Tatoo maravilhosa!
bjuxx!!!

peduardo_marinho disse...

ei bem eu ainda n vi a tatoo ...caraculis...lembrei agora do jordan dizendo q c só quer ser mala...hehe

Rosinha disse...

LIndo texto.
LInda tatto.
VC É LINDA.
Xero.